PORTES GRÁTIS PARA ENCOMENDAS ENVIADAS POR CORREIO EDITORIAL NACIONAL
  • ANIKI-BÓBÓ • 50 ANOS • JORGE NEVES (ORG.)

ANIKI-BÓBÓ • 50 ANOS • JORGE NEVES (ORG.)

45,00 €  
IVA incluído

ANIKI-BÓBÓ • 50 ANOS • 1992 Edições Afrontamento 85 pgs • Abertura, selecção e organização de textos por Jorge Neves • Textos de Alves Costa, Manoel de Oliveira & António Lopes Ribeiro • Inclui a planificação do filme, guião, ficha técnica e artística • Inclui a reações da crítica ao filme • Fotografias da CP-MC • PVP 45€ • Linha de Sombra • Cinemateca Portuguesa ■

“18 de Dezembro de 1942. Lá fora o mundo continuava em guerra. Tinha chegado à Tunísia. As tropas inglesas demonstravam o seu domínio aéreo. A coluna de Rommel estava cortada em duas. Por cá as coisas corriam, segundo a apaniguada neutralidade do nosso antigo regime. (...) Os cinemas da Invicta tinham em cartaz Marlene Dietrich em CAPRICHO DE MULHERES no São João, ÁGUAS SOMBRIAS de Jean Renoir com Anne Baxter e Walter Brennan no Águia D’Ouro e SORTE MAGIA com Bob Hope no Rivoli. No Carlos Alberto estava em cena a peça de teatro PINGA AMOR com Ribeirinho.
Na capital os destaques iam para ANJOS DE CARA NEGRA com Humphrey Bogart e James Cagney no São Luís, VIDAS QUEIMADAS de Melvyn Le Roy com Lana Turner e Robert Taylor e para o público infantil DUMBO de Walt Disney no Tivoli. Mas o acontecimento nacional no mundo do espectáculo era a estreia no Éden do filme português ANIKI-BÓBÓ de Manoel de Oliveira. Primeira longa metragem do cineasta portuense, que deixara estupefactos todos quantos tinham visto o seu primeiro filme, o documentário DOURO, FAINA FLUVIAL revelador de um talento cinematográfico inato, sustentado por uma fotografia a preto e branco de grande nível, da responsabilidade do fotógrafo amador António Mendes.”

DEPRESSA QUE TENHO PRESSA, Jorge Neves

×