PORTES GRÁTIS PARA ENCOMENDAS ENVIADAS POR CORREIO EDITORIAL NACIONAL
  • CIRCA 1963 • CONVERSAS COM ARQUITECTOS E CINEASTAS • LUÍS URBANO (COORD.)
  • CIRCA 1963 • CONVERSAS COM ARQUITECTOS E CINEASTAS • LUÍS URBANO (COORD.)
  • CIRCA 1963 • CONVERSAS COM ARQUITECTOS E CINEASTAS • LUÍS URBANO (COORD.)
  • CIRCA 1963 • CONVERSAS COM ARQUITECTOS E CINEASTAS • LUÍS URBANO (COORD.)

CIRCA 1963 • CONVERSAS COM ARQUITECTOS E CINEASTAS • LUÍS URBANO (COORD.)

18,00 €  
IVA incluído

CIRCA 1963 • CONVERSAS COM ARQUITECTOS E CINEASTAS • Coordenado por Luís Urbano • 2018 Jack Back Pack 238 pgs • Capa & paginação de Maria Noivo • Conversas com Manoel de Oliveira, Fernando Lopes, Nuno Portas, Sergio Fernandez, Manuel Vicente, Alfredo Matos Ferreira, Fernando Matos Silva, António de Macedo, Raul Hestnes de Ferreira, António-Pedro Vasconcelos, Alberto Seixas Santos, Jose Fonseca e Costa, Nuno Teotónio Pereira, Alexandre Alves Costa, Álvaro Siza & António da Cunha Telles • PVP 18€ • Livro disponível na Livraria Linha de Sombra • www.linhadesombra.com • Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema ■

“A arquitectura pode exercer uma atracção muito forte, uma sedução grande para certos realizadores. Lembro-me que Os Nibelungos, do Fritz Lang, tem uma realização arquitectónica, a estrutura do filme é arquitectónica. Há uma frase do Godard sobre o cinema em que ele diz que “o cinema não é arte nem é vida, é qualquer coisa entre as duas.” Da arquitectura podemos dizer o mesmo. Também não é arte, também não é vida, situa-se entre as duas. Mas é curioso que, não sendo a arquitectura vida, todo o tipo de vida se pode passar em arquitectura. O teatro, a ficção, o próprio cinema, passam-se na arquitectura.”


Manoel de Oliveira, entrevista realizada a 24 de Março de 1997, no Porto, conduzida por Luís Urbano

×