PORTES GRATUITOS EM CORREIO REGISTADO PARA PORTUGAL & ILHAS COM ENCOMENDAS SUPERIORES A 50€
  • PORTUGAL - UM DIA DE CADA VEZ ∙ JOÃO CANIJO & ANABELA MOREIRA

PORTUGAL - UM DIA DE CADA VEZ ∙ JOÃO CANIJO & ANABELA MOREIRA

15,00 €  
IVA incluído
O produto encontra-se sem stock.

PORTUGAL - UM DIA DE CADA VEZ • João Canijo & Anabela Moreira • 2015 PT 155 + 133 min • Com Anabela Moreira • Inclui Bónus: RAUL BRANDÃO ERA UM GRANDE ESCRITOR 2012 PT 33 min • SUB PT / ING • PVP 15€ • Linha de Sombra • Cinemateca Portuguesa.

"Tudo se passa numa terra interior de onde as pessoas fugiram e onde os restos do sonho de desenvolvimento se tornaram sinais do absurdo. «É a vida e a vida é triste», dizem com resignação os sobreviventes do Portugal interior. Sobrevivem na condição de viver um dia de cada vez, resignados à fatalidade do destino e a recordar um passado que podia ter sido melhor. A desilusão com o destino é enganada com a culpa da traição dos governantes e com a paixão pelos enredos da televisão. No vazio das horas iguais a tantas outras a existência passa e a vida gasta-se a tentar escapar ao desespero. É um filme de retratos de um país triste que fala de uma particular forma de esperança, a que sonha só com a felicidade de se cumprir a vida. Vivemos um dia de cada vez.”

NOTA DE INTENÇÕES, João Canijo & Anabela Moreira

“O Portugal dito «profundo» tem sido um interesse cultivado ao longo dos anos por João Canijo, vá ele encontrá-lo à noite do interior (NOITE ESCURA, MAL NASCIDA) ou aos arrabaldes de Lisboa (SANGUE DO MEU SANGUE). Mais recentemente, com É O AMOR, filmado nas Caxinas de Vila do Conde, Canijo ensaiou uma abordagem documental, largando a ficção temperada, ou «travestida», pelas ressonâncias mitológicas (a tragédia grega, sanguínea e telúrica) com que cobrira esses filmes, mas utilizando uma actriz, Anabela Moreira, lançada para o convívio «documental», como uma espécie de gazua. Em PORTUGAL - UM DIA DE CADA VEZ Anabela Moreira passa para detrás da câmara e é creditada como co-realizadora, mas pressente-se um projecto nascido da experiência de É O AMOR, pela proximidade, se não mesmo imersão, e pela adopção de uma estrutura documental clássica.”

BARRO POR MODELAR, Luís Miguel Oliveira