PORTES GRÁTIS PARA ENCOMENDAS ENVIADAS POR CORREIO EDITORIAL NACIONAL
  • SALAZAR VAI AO CINEMA II • A “POLÍTICA DO ESPÍRITO” NO JORNAL PORTUGUÊS • MARIA DO CARMO PIÇARRA

SALAZAR VAI AO CINEMA II • A “POLÍTICA DO ESPÍRITO” NO JORNAL PORTUGUÊS • MARIA DO CARMO PIÇARRA

13,00 €  
IVA incluído

SALAZAR VAI AO CINEMA II • A “POLÍTICA DO ESPÍRITO” NO JORNAL PORTUGUÊS • Maria do Carmo Piçarra • 2011 DrellaDesign 142 pgs • Livro panorama sobre a construção da “portugalidade” através das actualidades filmadas de propaganda. Através da análise dos grandes temas que o Jornal Português abordou desvenda-se o modo como o regime se pensou na relação com o público através do cinema • Estudo que contou com as fontes orais: João Bénard da Costa, José de Matos-Cruz, Faria de Almeida & Etc. • PVP 13€ • Linha de Sombra • www.linhadesombra.com • Cinemateca Portuguesa-Museu do Cinema ◼︎

“Nessa altura a grande figura do cinema e o grande homem de confiança de António Ferro é o Leitão de Barros. O Lopes Ribeiro começa a sapar o terreno ao Leitão de Barros e há uma luta muito curiosa. Há um número da revista Bandarra em que há uma enorme polémica entre os dois, com o Lopes Ribeiro a atacar o filme As Pupilas do Sr. Reitor do Leitão de Barros e o Barros a atacar o filme Gado Bravo. É a única vez que eles se zangam assim publicamente. Se vir estes artigos, é evidente que na resposta de Lopes Ribeiro e no ataque Às Pupilas, já está a querer pôr-se na primeira fila para o António Ferro. Ele diz que As Pupilas são uma vinheta do século XIX que não tem nada a ver com a sociedade que queremos formar, é um universo que ficou na aguarela, no universo do sogro dele - o Roque Gameiro. E assume que ele, pelo contrário, está a apostar na modernidade, que tem as soluções de montagem, de linguagem, que podem criar um cinema novo. É aí que deve ter convencido António Ferro. O próprio feitio do Leitão de Barros... É um homem com imenso sentido de humor e auto-ironia. Devia ser incapaz de falar de grandes missões sem desatar a rir à gargalhada.”

Quando o que existia só existia se o cinema mostrava, entrevista a João Bénard da Costa

×